Tá na mídia: Mídia Pane na revista LETTERING

MÍDIA DE SACOS E SACOLAS SURGE COMO OPORTUNIDADE PARA EMPRESAS QUE QUEREM ALIAR SEUS ESFORÇOS NO CAMPO DA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL A UM POVO POSICIONAMENTO DE MERCADO

Praticidade ou cuidado com o meio ambiente? A polêmica envolvendo a utilização de sacolas plásticas em supermercados e outros estabelecimentos do Estado ainda divide opiniões, ao mesmo tempo em que fomenta ideias e oportunidades de investimento em Comunicação na área ecológica.

As tentativas de substituir a conhecida “sacolinha” por alternativas sustentáveis, que no meio ambiente demora cerca de três séculos para se decompor, geraram discussões e acordos entre comerciantes e governo, além de inúmeros consumidores insatisfeitos, que se veem equilibrando os produtos na volta para a casa.

De alguns anos para cá, os esforços para minimizar essa transição passam por sugestões de embalagens ecológicas, confeccionadas com material biodegradável, reutilizáveis e práticas. É o jeito mais eficiente e ecologicamente correto de transportar as compras e tem sido adotado por milhões de cidadãos paulistas, conscientes. Isso porque as políticas públicas voltadas para a preservação do meio ambiente se refletem diretamente na relação da empresa com o cliente, que passa a observar e a incentivar aquelas que adotam práticas sustentáveis.

Para o especialista em Marketing ambiental, José Maria Silva Júnior, suprimir a distribuição das sacolas plásticas ou vendê-las não foi uma decisão favorável às empresas do ponto de vista estratégico. “Sem ter como carregar as compras, muitos consumidores acabam comprando menos, o que não agrada o comerciante. A tendência é que as empresas voltem a distribuir sacolas ou sacos biodegradáveis, mesmo porque precisam oferecer uma alternativa de embalagem. Vão se destacar aquelas que focarem na questão ecológica e não na econômica”, aponta.

A solução é inovar e aproveitar as alternativas propostas pelo Marketing ambiental para fortalecer a imagem institucional. A mídia de sacos e sacolas tem atraído novos investimentos e o Vale do Paraíba já conta com empresas especializadas em unir a necessidade do biodegradável às oportunidades de divulgação desses produtos.

A proposta de anunciar produtos e serviços no saco de pão impulsionou os resultados da Mídia Pane, uma empresa joseense que já atua em 16 municípios da região. A ideia é colocar o anunciante frente a frente com seu público, fomentando a sustentabilidade. “Cada vez que lançamos uma campanha, procuramos utilizar um espaço da embalagem para difundir esses valores, deixando claro que é possível divulgar uma ideia de forma simples, sem causar ônus ao meio ambiente. Como profissionais de Comunicação, temos o dever de fomentar essa parceria”, diz Henrique André de Oliveira, sócio fundador e diretor de Marketing da empresa.

Mas não basta vender uma ideia sustentável. E preciso pensar em todo o processo e oferecer uma alternativa de qualidade. As tintas utilizadas na impressão dos sacos de pão são atóxicas, sem solventes, o papel utilizado é certificado pela FSC (Conselho de Manejo Florestal) e a sobra de todo material produzido é reciclada.

A diretora de relacionamento e também sócia da Mídia Pane, Vanessa Oliveira, chama a atenção para o negócio e acredita que o investimento em mídias ecologicamente corretas é uma tendência. “Percebemos que algumas empresas que nos contrataram neste ano migraram do panfleto para o saco de pão por conta do acúmulo de lixo causado pela panfletagem e pela forma como a informação chega ao consumidor”, destaca.

Com tantas opções de mídia, oportunidades de Marketing diferenciadas atraem a atenção do público e, ao mesmo tempo, consolidam um diferencial no investimento da empresa anunciante. A famosa ecobag é outra alternativa viável para a aplicação do marketing sustentável. Com tamanhos variando de médio a grande, as sacolas reutilizáveis são feitas de tecido ou material biodegradável, que garantem sua durabilidade e a durabilidade da mensagem transmitida.

Um dos primeiros símbolos de embalagens ecológicas, as ecobags são um dos produtos favoritos quando o assunto é incentivo ao desenvolvimento sustentável. “As sacolas podem e devem ser utilizadas como ferramenta de Marketing, tanto em campanhas internas, quanto externas de empresas que têm a preocupação de estarem alinhadas à preservação do planeta”, incentiva Leandro Guedes, sócio da fabricante Bio Bolsa.

Há quatro anos no mercado valeparaibano, a empresa fornece o material a clientes que estão preocupados em associar suas marcas a ações ambientais. “Universidades, construtoras, panificadoras, grandes empresas, supermercados, a cartela de clientes é bem diversificada. Isso porque a distribuição das sacolas como brindes ou mesmo sua comercialização divulgam os esforços sustentáveis dessas instituições, ao mesmo tempo em que prolongam a vida de seu investimento”, diz Guedes.

O custo x benefício desse tipo de Marketing costuma ser compensador, se analisada as associações e o diferencial da mídia, que é um atrativo. No caso do saco de pão, por exemplo, uma embalagem é vista, em média, por quatro pessoas. Se comparada com outros meios, mais tradicionais, na relação custo x benefício, o anunciante sai ganhando. “As empresas mais conscientes têm essa percepção. Sabem que podem produzir menos material gráfico e atingir um número maior de pessoas de forma inovadora, respeitando seus valores, colaborando com o meio ambiente e obtendo resultados”, lembra o diretor de Marketing da Midia Pane.

ESPECIALISTAS ALERTAM QUE AÇÕES DA CHAMADA COMUNICAÇÃO ECOLÓGICA DEVEM SER PLANEJADAS, PARA QUE REPRESENTE INSTITUIÇÕES QUE, REALMENTE, DESENVOLVAM AÇÕES EM PROL DA PRESERVAÇÃO DO PLANETA

Fonte: revista LETTERING